Tratamento de Cicatrizes e Queloides faciais em Recife

Cicatrizes e Queloides

Cicatriz-e-queloide
  CORREÇÃO DE CICATRIZES Considerações Técnicas: O objetivo destas observações sobre correção de cicatrizes é apresentar de maneira clara e simplificada detalhes que seguramente estão lhe interessando no momento. Tipos de Cicatrizes Inestéticas:
  1. Quelóides:
São os exemplos mais conhecidos, porém não são os mais frequentes. Trata-se de um tipo muito específico de cicatrização, em que as cicatrizes são elevadas, tensas, podem causar dor ou coceira e crescem além dos limites do corte, causando a impressão de que são cicatrizes que não param de crescer. Na maioria das vezes são de tonalidade avermelhada ou mais escura que a pele normal vizinha. Eles ocorrem quando o organismo, por um defeito de cicatrização, continua a produzir a proteína que dá resistência à cicatriz, o colágeno, depois que uma ferida fecha. Os quelóides podem surgir em qualquer local do corpo, sendo mais frequentes no tórax, lóbulos das orelhas e ombros. Também tem maior incidência entre pessoas de raça negra ou orientais. Apresentam uma maior tendência de ocorrer durante a adolescência e idade adulta, diminuindo com a idade. O tratamento mais difundido para o seu tratamento consiste na injeção de um medicamento a base de corticoide dentro do tecido da cicatriz para diminuir o aspecto elevado e avermelhado, assim como a coceira. Na eventualidade deste tratamento não surtir efeito, a cicatriz pode ser retirada e a ferida ser fechada novamente. Mesmo nas mãos de cirurgiões habilidosos, os quelóides apresentam uma enorme tendência de retornar, por vezes maior do que antes do tratamento. Existem outras modalidades de tratamento em que se associam a retirada da cicatriz com as injeções de corticoide durante a cirurgia, e/ou a tratamento com aplicação de radiação de baixa intensidade em cima da ferida, chamado de Betaterapia. Quem realiza a Betaterapia é um médico especializado em medicina nuclear. Também é possível a compressão da ferida com uma placa de silicone ou com malha compressiva por certo tempo. Utiliza-se também gel de silicone para aperfeiçoar o tratamento. Mesmo assim, o queloide pode retornar, requerendo procedimentos repetidos a cada ano.
  1. Cicatrizes Hipertróficas:
Este tipo de cicatriz é confundido, frequentemente, com os quelóides, pelo fato de ambas serem elevadas e avermelhadas. No entanto, as cicatrizes hipertróficas se mantêm dentro dos limites do corte inicial. Apresentam melhora na maioria das vezes sem nenhum tipo de tratamento, em um ano ou mais. Eventualmente, pode ser necessário tratamento através de compressão e aplicações de injeções de corticoide para diminuir este tempo. Assim como no caso dos queloides, estas cicatrizes podem ter o seu aspecto melhorado através de cirurgia. O cirurgião plástico irá retirar o tecido da cicatriz, e irá reposicionar o corte de modo que se torne mais discreto. Injeções de corticoide durante a cirurgia e em intervalos de até dois anos mais tarde podem ser necessários para impedir que a cicatriz se torne elevada novamente.     3. Cicatrizes Alargadas: As cicatrizes alargadas ocorrem principalmente por uma deficiência do próprio corpo da pessoa em promover o processo de cicatrização. Ocorre mais em pessoas com pele envelhecida e com pouca elasticidade. Assemelham-se a estrias, apresentando pele bem fina e frouxa e podem estar abaixo do nível da pele (rasa). Normalmente ocorrem em áreas do corpo em que a cicatriz apresenta maior tensão, principalmente no abdome e mamas.    4. Cicatrizes Discrômicas: São as cicatrizes de coloração muito diferente da pele ao redor. Podem ser escuras (hipercrômicas) ou claras (hipocrômicas). Confunde-se muito estes tipos de cicatriz com as cicatrizes normais que, durante o seu período de amadurecimento, podem passar por diversas fases em que normalmente encontram-se.
  1. Cicatrizes Faciais:
Devido a sua posição, uma cicatriz na face é considerada um problema estético, seja ou não hipertrófica. Há diversas maneiras de fazer uma cicatriz facial se tornar menos visível. De uma maneira geral elas são recortadas e fechadas com pontos minúsculos, tornando-as menos visíveis. Se a cicatriz atravessar um sulco natural da pele (linhas de expressão) o cirurgião pode reposicioná-las tornando-as paralelas a estas linhas, onde serão menos visíveis. Algumas cicatrizes da face podem ser melhoradas usando uma técnica chamada de dermoabrasão, que consiste em raspar as camadas superiores da pele usando uma lixa de diamante. A dermoabrasão deixa a pele mais lisa, mas não apagará completamente a cicatriz.