Implante capilar (81) 3033 4484

Transplante capilar

Implante capilar


TRANSPLANTE CAPILAR

O que é?

A cirurgia de microtransplante capilar é um método iniciado na década de 80. Embora ela já existisse anteriormente, foi nessa época em que foi estabelecido um padrão, inclusive, o responsável por esse feito foi um médico brasileiro. Após o desenvolvimento da técnica, ela foi popularizada mundialmente, e hoje, está bastante aperfeiçoada.

A cirurgia da calvície é, atualmente, a segunda mais realizada dentro do campo das cirurgias plásticas masculinas, perdendo apenas para a lipoaspiração. O implante capilar é uma das técnicas recentes mais utilizadas para o tratamento cirúrgico da calvície. O implante capilar pode ser realizado tanto por homens como mulheres, passando por algumas variações devido às mudanças existentes entre os corpos feminino e masculino.

O cabelo utilizado no transplante é retirado da área doadora, próxima à nuca. Essa região é selecionada devido à genética diferenciada, razão pela qual os fios contidos nela não caem. Isso pode ser comprovado ao notar que a maioria dos homens afetados pela calvície continua com seus cabelos nessa área.

Ao transplantar um tecido de qualquer parte do corpo humano, o primeiro mantém as características do seu local de origem, e não da região na qual ele foi transplantado. Desse modo, caso, por exemplo, pele retirada da perna seja introduzida no rosto, ela manterá o aspecto espesso típico da região da qual foi removida. Alguns tecidos específicos até podem passar por alguma modificação, como as mucosas, mas esse é outro assunto.

Assim, quando o cabelo sai da parte posterior com destino à região superior da cabeça, ele carrega consigo as características detidas na primeira área, conservando-as por tempo indeterminado. Logo, trata-se de um cabelo que não tem tendência a cair. Este detalhe é muito importante, pois caso o procedimento cirúrgico seja realizado inadequadamente, ou seja, com unidades inseridas de maneira visível, ou em uma posição muito baixa (no centro da fronte do paciente, por exemplo), o tratamento para retirar os cabelos transplantados é extremamente complicado.

Ainda é muito comum encontrar pacientes que foram submetidos aos transplantes antigos e que até hoje conservam resultados insatisfatórios. O recurso cirúrgico é recomendado para pessoas que atinjam um elevado nível de perda de cabelos, e seja por motivos pessoais ou emocionais, não queiram se tornar calvas. Assim, o transplante é recomendado antes mesmo que o indivíduo se torne calvo. Essa medida ocorre porque, ao aplicar cabelos sadios na área que sofreu rarefação capilar (marcada por uma calvície incipiente), a posterior queda dos fios será acompanhada pela substituição dos fios transplantados. Essa transição é importante, já que o paciente não passará por nenhuma fase da vida sem cabelos. Dessa forma, se possível, é preferível efetuar o transplante antes de se tornar calvo.

Diferença entre implante capilar e transplante capilar

Muita gente tem dúvida entre a diferença entre implante capilar e transplante capilar, na verdade esses são dois termos para designar o mesmo procedimento: a cirurgia de implantação de novos fios.

Quem pode fazer implante capilar?

Praticamente todas as pessoas afetadas pela calvície podem ser submetidas à cirurgia de transplante de cabelo, é importante deixar claro que até mesmo diabéticos e hipertensos podem realizá-lo, bastando que sejam monitorados adequadamente pelo anestesista do centro cirúrgico. Contudo, deve-se ressaltar que há uma limitação na quantidade de área doadora, região da qual os cabelos são retirados para posteriormente serem implantados na área receptora (calva). Algumas pessoas possuem uma região doadora pobre em volume de cabelo. Essa quantidade mínima de fios poderá ser insuficiente para estabelecer uma boa cobertura da área do couro cabeludo comprometida pela calvície. Cerca de 5% dos homens não podem realizar o transplante devido à insuficiência de cabelo na área doadora, esse número se eleva para 30% com relação às mulheres. Nesses casos, a cirurgia poderá ser inviável ou trazer resultados poucos satisfatórios. Dessa forma, para que a cirurgia seja bem sucedida, é vital que o paciente tenha uma boa quantidade de cabelo na área doadora. Resta saber se, no futuro, o método da clonagem de fios resolverá essa restrição. Deve-se salientar também que é impossível transplantar cabelos oriundos de uma pessoa à outra, independente da relação de parentesco entre elas, logo, o transplante só pode ser consumado com fios pertencentes ao próprio paciente.  

Implante capilar em vítimas de acidentes

Existem pessoas que ao sofrerem acidentes de carro, por exemplo, acabam apresentando uma falha capilar enorme na cabeça. Nesses casos, é preciso avaliar vários fatores, como o cicatricial. Assim, o especialista precisa confirmar se a área atingida é bem vascularizada e se a cicatriz não incidirá no local em que o paciente deseja receber o implante, pois o método não detém uma eficácia adequada quando executado sobre uma cicatriz. Se o indivíduo teve a face retalhada, por exemplo, uma alternativa é implantar os fios em uma região contígua à cicatriz. Desse modo, depois que o cabelo crescer, ele poderá ser usado para encobrir a cicatriz.

FUE: implante capilar fio a fio

Atualmente, a cirurgia de transplante permite a realização de uma grande quantidade de mudas, apresentando uma abrangência bem extensa do couro cabeludo. No passado, costumava-se usar de 80 a 100 mudas, enquanto a técnica mais recente compreende a adoção de, aproximadamente, 2.000 mudas. Com todos esses avanços conquistados, as técnicas cirúrgicas modernas (FUE, ou Follicular Unit Extraction) permitem reverter o quadro de calvície com bastante naturalidade e eficiência. O mesmo ocorre com os tratamentos voltados às pessoas que ainda estão começando a perder os cabelos, ou seja, no sentido de retardar o processo, mantendo os cabelos fixos à cabeça. Assim, pode-se dizer que as terapias podem ser utilizadas até o momento em que não surtam mais efeito, ocasião na qual a cirurgia deve ser encarada como alternativa diante da perda dos cabelos. Devido à evolução do transplante de cabelos, já não é mais possível perceber a realização do procedimento, pois os resultados obtidos são muito naturais (linha frontal, por exemplo), fazendo com que o indivíduo que tenha se submetido ao método passe totalmente despercebido perante outras pessoas. Prova disso é o fato de existirem diversas personalidades públicas, como políticos, empresários, e artistas que aparecem na televisão com transplante capilar, mas ninguém imagina que eles possam ter realizado a cirurgia. Os fios transplantados são plantados individualmente através de uma maneira bastante regular, em grande volume, e com uma ampla distribuição.

Resultados

Os resultados poderão variar de um paciente para outro, assim como de uma equipe médica para outra. Existe o cabelo mais fino, mais grosso, grisalho, e uma série de outras nuances que poderão interferir no resultado final. Seguindo todo o padrão de excelência, o resultado deverá seguir a mesma tendência. Por outro lado, deve-se ressaltar que a qualidade do resultado também é subjetiva, e varia conforme as características de cada paciente. Isso significa que o resultado poderá oscilar de acordo com a espessura dos fios da área doadora, do volume de fios detidos por ela, e das dimensões da região afetada pela calvície. Seja com a adoção da técnica de transplante capilar utilizada no passado ou da recente, caso não sejam tomados alguns cuidados, o resultado final da cirurgia poderá ter um aspecto superficial. Se a linha que define a região que receberá o implante não for natural, possuindo um traço muito reto ou exageradamente pendendo para a frente, o transplante poderá ficar perceptível. O mesmo poderá ocorrer se os fios forem colocados distantes uns dos outros, ou se o volume for pequeno, ou ainda se as unidades foliculares abrigarem fios em excesso, como 10 ou 15 deles por grupo.